O que é isso, Estadão!? Partiu para o vandalismo, agora!? – Ou: Um jornal agride dois pilotos mortos sem a menor cerimônia

By: Author Raul MarinhoPosted on
952Views4

Já se tornou tradicional a má qualidade jornalística do jornal “O Estado de São Paulo” (a.k.a. “Estadão”) na cobertura das investigações do PR-AFA, conforme comentado aqui e aqui. Nem vou citar o fato de a publicação não entender que há dois modelos de aeronave sendo citados pelo CENIPA, o C560 XLS e o XLS+, ou a diferença entre “estar regularmente habilitado” e “ter efetuado um treinamento”, porque isso requer uma sutileza de raciocínio que, pelo visto, está além da capacidade dos jornalistas que escrevem as matérias naquele jornal sobre o acidente com o Eduardo Campos. Só que hoje, na reportagem “Pilotos do acidente de Campos não tinham treinamento adequado, diz Cenipa“, a publicação partiu para o vandalismo informativo explícito. Leiam o que as jornalistas (ir)responsáveis pela matéria escreveram no meio da reportagem:

Tanto o piloto Marcos Martins quanto o copiloto Geraldo Magela Barbosa não tinham a proficiência requisitada para conduzir o avião.

O que é isso, Estadão!? Como é que um jornal agride dois pilotos mortos, assim, sem a menor cerimônia!? Como é que se afirma que dois profissionais regularmente habilitados, pilotos com milhares de horas de voo, “não têm proficiência”, sem mais nem menos!? Baseado em quê se afirma isso? Alguém no CENIPA escreveu? Alguém na ANAC afirmou? Algum checador relatou? Algum colega confidenciou? Ou elas, duas jornalistas, concluíram que, se o avião caiu é porque os pilotos não eram proficientes? As jornalistas, por acaso, sabiam das condições de stress a que os pilotos estava submetidos? Essas duas senhoras conhecem o quê de aviação para afirmar que dois pilotos, que voaram a aeronave dezenas de vezes sem ocorrências anormais, não eram proficientes?

Não conhecia os pilotos mortos neste acidente, mas sinto-me pessoalmente ofendido pelas palavras escritas no Estadão de hoje. Imagino os familiares e amigos dos pilotos mortos…

Veja também a “Nota de repúdio à imprensa sobre o acidente de Eduardo Campos“, do Portal SNA.

 

4 comments

  1. Southpilot
    4 anos ago

    Há muito tempo que desacredito totalmente no jornalismo. Asneiras a mil são publicadas com o objetivo de vender jornal, ganhar audiência ou ter mais cliques no portal. Reportagens, mal escritas, com diversos erros técnicos são uma agressão a qualquer leitor mais antenado. E não é só com relação a aviação não. Me assusta ao ver pessoas que leem a primeira reportagem e rugem nas redes sociais aquilo dito por jornalistas como verdades absoluta. Diversos são os interesses de um jornalista, o de vender notícia é o primeiro deles. O de agradar alguém, ou um grupo ou um governo é outro interesse. O fato é que para formar uma opinião, leio diversas fontes diferentes e mesmo assim ainda fico na dúvida, já que a mídia adora “relatar”, “investigar” e “julgar”. Na ocasião deste acidente, lembro de um jornal local de SC que no mesmo dia chamou um instrutor de aeroclube para dar entrevista e levantar as hipóteses para o acidente. Pasmem!
    Contudo, ainda acho que a liberdade de imprensa é algo incondicional e um dos pilares da democracia. Por mais que alguns veículos “exagerem”, ainda acho que a maior resposta que podemos dar é não consumindo o seu produto. O caso do Charlie Hebdo na França é um exemplo, muitos acham que o jornal exagerava, pode ser. O jornal em questão estava em sérias dificuldades financeiras, com dificuldades para continuar se mantendo, com uma tiragem pequena, sinal de que as pessoas não consumiam tanto assim entretanto, após o atentado, tudo mudou. A tiragem se multiplicou e as pessoas passaram a fazer fila para comprar aquilo que outrora era considerado exagerado e ofensivo.
    Reitero que a melhor resposta que podemos dar é através do próprio mercado (Salvo em caso de ofensas e calúnia pessoal buscando vias legais), consumindo ou não a notícia, o seu produto, visitando ou não o portal de notícia. Desta forma, valorizaremos o bom jornalismo.

  2. Porto
    4 anos ago

    Liberdade de expressão !
    Há alguns dias atrás o mundo inteiro ficou sabendo do atentado aos comunicadores Franceses, que faziam charges criticando outras religiões e o resultado foi dos piores, pagaram com a vida. Não importo com religião e cultura diferente à minha, mas cabe a mim como ser humano respeitar, ou melhor dizendo, não me importar com as diferenças, por mais “escrotas” que elas sejam. Estou longe que querer mudar a cultura e as crenças de uma nação inteira, mas essa não é a questão.
    Cruzando o atlântico e voltando ao Brasil, vejo que algum veículos de informação ficam julgando e criticando fatos sem coerência ou respaldo técnico algum, cito o caso que comoção nacional que foi a queda do jato em Santos cujo uma das vítimas era o candidato. Fico realmente abismado com as bobagens que vejo sendo faladas por aí em relação ao acidente, já foi dito até que os pilotos não tinham treinamento para voar a maquina acidentada. Colocaram a FAB e o Cenipa no meio falando que já descobriram o que causou o acidente e etc. Pior de tudo, vejo pessoas que estão no ramo a levarem essa informação para frente. Umas das primeiras coisas que aprendi quando foquei meus estudos para o ramo da aviação foi que em primeiro lugar um acidente aeronáutico não ocorre apenas por um fator, segundo não cabe a mim ficar julgando pilotos mais experientes e terceiro relatórios finais são feitos pelo Cenipa, e até hoje não saiu nada oficial. E digo mais, como alguém sem experiencia vai pilotar um jato, do porte do Citation XLS e ainda levando como passageiro uma pessoa que tem a vida pública ? É muita asneira que falam, simplesmente para jogar a culpa nas costas da tripulação que nem vai poder se defender. Fazendo uma menção a um texto lido em um site escrito pelo respeitado Fred Mesquita liberdade de expressão não tem nenhuma relação com libertinagem.
    Caríssimos comunicadores, cuidado com as palavras e com o que é vinculado por vocês por aí.

  3. Fred Mesquita
    4 anos ago

    Vou fazer uma ligação desse fato, da reportagem absurda do Estadão, com o atentado ocorrido na França.

    Boa parte do mundo desaprovou o último atentado terrorista ocorrido na França, dizendo que a liberdade de imprensa deve sim, ser livre para falar o que quiser. Mas, e as consequências disso tudo? A liberdade de imprensa na França está colhendo um fruto amargo, pois hoje confunde-se liberdade com libertinagem. E onde fica o respeito à outras religiões? (mas claro, sempre há o fanático).

    Voltando para o Brasil, o Estadão tem o direito de liberdade de imprensa sim, mas que esta liberdade não se torne libertinagem. Na própria constituição Federal do Brasil temos um item que fala disso, dos nossos direitos de ir e vir, e o da liberdade de poder falar, mas tem também um inciso que diz que, somos responsáveis diretos daquilo que se fala. Trocando em miúdos, falar também vem acompanhado de responsabilidade e pode causar processos por calúnia e difamação, e é exatamente o que está acontecendo com essas matérias sensacionalistas, estão falando asneiras pelos cotovelos sem o mínimo de responsabilidade.

Deixe uma resposta